Visitantes

quinta-feira, 6 de setembro de 2012

Esporte é sinônimo de superaçao

Comentário: As paralimpíadas deveriam ter a mesma cobertura das Olimpíadas. Esses atletas são um grande exemplo para os "normais". O caso de Zanardi é uma mostra do poder do esporte para corpos e mentes. Após as Olimpíadas ouvi gente falando que o esporte não é sinônimo de saúde citando casos de atletas que chegam ao limite da exaustão para bater seus recordes. Ora, o esporte é antes de tudo sinônimo de superação.

 

Ouro de Zanardi nas Paralimpíadas emociona pilotos de todo o mundo

Competidores de diferentes gerações e das mais diversas categorias se manifestam pelas redes sociais após a conquista do italiano no ciclismo H4

Por GLOBOESPORTE.COM Londres
17 comentários
Não importa a geração, a categoria, a nacionalidade ou a experiência. O exemplo de Alessandro Zanardi é inspirador para qualquer atleta, ainda mais para aqueles que acompanharam suas conquistas e seu drama no automobilismo. Após ser bicampeão da Indy e guiar por uma equipe grande na Fórmula 1, o italiano sofreu um acidente gravíssimo ao voltar a competir nos Estados Unidos, em 2001. Quase perdeu a vida, teve suas duas pernas amputadas, mas não desistiu de lutar. Usando próteses, voltou às pistas pelo Mundial de Turismo, o WTCC, e passou a se dedicar também a outra velha paixão, o ciclismo. Conquistando bons resultados nas bicicletas adaptadas, abandonou as pistas em 2009 com a ideia de disputar os Jogos de Londres e se classificou em três modalidades. Nesta quarta-feira, tornou-se campeão paralímpico.
Alessandro Zanardi comemoração Paralimpíadas (Foto: AP)Alessandro Zanardi compete nas Paralimpíadas no circuito de Brands Hatch (Foto: AP)
Ironicamente, a conquista do italiano se deu num autódromo, o de Brands Hatch, local escolhido pelos organizadores para que os atletas do paraciclismo tivessem as mesmas condições encontradas nas provas ao ar livre em outras partes do mundo. Nesta pista, Alex já havia corrido outras vezes, de carro, em diferentes categorias. Fez pole, foi ao pódio em segundo e em terceiro, mas a vitória ainda não havia chegado. E ela veio da forma mais espetacular, consagrando uma história de vida que emocionou muitos daqueles que conheceram o italiano nas pistas. Empolgados com a conquista, diversos pilotos se manifestaram pelo Twitter.
- Zanardi ganhou o ouro olímpico e eu não consigo parar de rir, de chorar, aplaudindo. É puramente extraordinário o que ele é capaz. Eu te amo, homem! – exclamou pela rede social o lendário Mario Andretti, campeão de Fórmula 1, da Indy e vencedor das 500 Milhas de Indianápolis, e patriarca de uma família de pilotos, como o filho Michael e o neto Marco.
Outro exemplo de sucesso na Fórmula 1 e na Fórmula Indy, o veterano Emerson Fittipaldi – que atualmente se dedica à organização das Seis Horas de São paulo, etapa brasileira do Mundial de Endurance – fez questão de postar um comentário em sua página no Facebook enaltecendo a conquista do italiano. Eles competiram juntos na temporada 1996, coincidentemente a primeira de Zanardi e última de Fittipaldi na Indy.
Emerson Fittipaldi e Alex Zanardi  (Foto: Getty Images)Campeão na F-1 e na Indy, Emerson Fittipaldi é fã declarado de Alessando Zanardi (Foto: Getty Images)
- Alex Zanardi, medalhista de ouro!! Parabéns Alex, por vencer o contra-relógio individual de ciclismo H4 (com as mãos) nos jogos Paralímpicos de Londres hoje na pista de Brands Hatch! Exemplo de superação de obstáculos e sucesso! Fiquei muito contente! - disse o bicampeão mundial de Fórmula 1, campeão da Indy e duas vezes vencedor das 500 Milhas de Indianápolis.
Emoção dos velhos amigos
Os contemporâneos de Zanardi na Indy, por sinal, estavam entre os mais empolgados logo após a conquista. Um dos mais emocionados era o compatriota Max Papis, que atualmente compete na Nascar, e que é um dos melhores amigos de Alex.
- Que emoção, meu irmão Alex, estás na história! Ouro, ouro, ouro, tenho lágrimas em meus olhos e só se fala de você no Twitter, mal posso acreditar em tudo isso. Herói! – escreveu Papis, que é casado com Tatiana, uma das filhas de Emerson Fittipaldi.
Outros pilotos que dividiram as pistas com Zanardi na Indy postaram comentários elogiosos. Como o brasileiro Christian Fittipaldi, que o classificou como "um grande exemplo", do colombiano Juan Pablo Montoya, que chamou o italiano de "uma pessoa incrível", e do mexicano Adrian Fernandez, que o adjetivou como "um amigo especial". O canadense Paul Tracy descreveu Alex como "uma inspiração para todos", enquanto o brasileiro Helio Castroneves foi direto, dizendo "você é o melhor". Já o escocês Dario Franchitti, tetracampeão da categoria, deu os parabéns e aproveitou para replicar a mensagem de seu irmão Marino, que compete em provas de endurance, atestando as lágrimas que tomaram conta de toda a família: “não há um olho seco aqui nesta casa”.
Max Papis, Tony Kanaane Alex Zanardi (Foto: Getty Images)Max Papis, Tony Kanaan e Alex Zanardi na época em que correram juntos na Indy (Foto: Getty Images)
Amigo de longa data e companheiro na paixão pelo ciclismo, o brasileiro Tony Kanaan também comemorou, escrevendo repetidas vezes a palavra "ouro" em letras maiúsculas. E se divertiu ao reproduzir um comentário do pentacampeão da Nascar, Jimmie Johnson, que lembrou as clássicas comemorações de Zanardi após suas vitórias na Indy.
- Alex, espero que você faça alguns "zerinhos" após a corrida! – disse o norte-americano.
Inspiração para todas as gerações
Entre mensagens de equipes de Fórmula 1 – como Ferrari, McLaren, Lotus e Williams – e de contas oficiais de autódromos, categorias, publicações e jornalistas especializados, Zanardi foi citado no Twitter também por jovens pilotos que buscam afirmação no automobilismo. O brasileiro Luiz Razia, líder da GP2, resumiu seu sentimento em uma frase curta.
- Não há palavras para descrever o quanto inspirador é este homem – disse o baiano de 23 anos, que busca uma vaga na principal categoria do automobilismo.
Caso semelhante é o do colombiano Sebastian Saavedra, que já disputou algumas provas na Fórmula Indy, mas batalha para voltar à categoria disputando o campeonato da divisão de acesso, a Indy Lights.
- É uma história fascinante. Perder as pernas nunca o impediu de ser o melhor em tudo – escreveu o jovem piloto, de 21 anos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Preencha o formulário: