Visitantes

quinta-feira, 13 de outubro de 2011

Che Guevara: Modelo de Moral


 

 

 Do Portal Vermelho

 

Pedro Belasco: Che, modelo de moral



Já se faz 44 anos desde o dia do assassinato – a sangue-frio – de Che Guevara, em 9 de outubro de 1967, na escola primária de La Higuera, na Bolívia, onde havia sido transportado após sua prisão por rangers bolivianos e agentes da Agência Central de Inteligência (CIA) dos EUA. No dia anterior caíra em emboscada junto com 17 guerrilheiros remanescentes.

Por Pedro Belasco, no Monitor Mercantil


Afirmar que a memória de Che permanece viva seria muito pouco para o "eterno revolucionário" cujo internacionalismo de sua presença não tem precedente: Está "presente" em qualquer manifestação popular, em qualquer comício em qualquer lugar do mundo, tornou-se ídolo da juventude mundial, símbolo de radical disputa e revolução permanente, fonte de inspiração para muitas faces da arte.

Jean-Paul Sartre o caracterizou em 1968 "uma das maiores figuras humanas do século 20". Mas, também, neste século 21, a figura de Che permanece viva como nunca na América Latina e no mundo inteiro, onde o lema "socialismo ou barbárie" torna-se novamente atual.

Hoje, a Bolívia, com Evo Morales na Presidência de República, honra Che oficialmente. Mas também a América Latina, de um modo geral, evolui – de uma ou de outra forma – rumo à direção que Che sonhou, porém não por intermédio das armas, mas com múltiplos movimentos populares e vitórias eleitorais de frentes de forças da esquerda, na base de programas antineoliberais.

União da AL

Em um período de profunda crise, como a atual que é, também, crise de valores, é de particular importância destacar-se que Che desperta consciências não porque foi um grande teórico ou porque representa a correta "receita para uma revolução", mas como modelo de moral de um combatente irreconciliável e internacionalista, na teoria e na prática.

"Meu marxismo tem raízes profundas", escreveu na última carta aos seus pais. Se for realizada uma pesquisa questionando qual era sua nacionalidade, dificilmente haveria respostas certas.

Che nasceu na Argentina, mas é herói da América Latina e símbolo de sua união. Foi um dos líderes da Revolução Cubana e seu indiscutível teórico. Abandonou seu cargo de ministro da Indústria para lutar ao lado dos movimentos nacionalistas libertários na África. Depois foi à Bolívia, onde tentou organizar um movimento de guerrilha, mas encontrou grandes dificuldades e, finalmente, foi morto, não como gostaria ter sido – em pé, lutando – mas assassinado.

Transcorrendo o século 21, o mito de Che não sofreu desgaste, mas cresce incessantemente e internacionaliza-se, particularmente entre os jovens do planeta. E isto ocorre porque a crise do sistema é profunda e multidimensional, e o mundo deverá mudar radicalmente e derrubar as desigualdades que destroem as sociedades e imobilizam as capacidades criativas dos seres humanos. A própria vida na Terra está ameaçada pela galopante decadência ambiental, consequência do predominante modelo neoliberal de crescimento.

Che está mais vivo hoje. Propõe a esquerda como postura e modelo de vida. Fala direto no coração e na consciência com as mesmas palavras, com as quais falou aos seus filhos em sua última carta: "Acima de tudo, sejam sempre capazes de sentir profundamente qualquer injustiça que está sendo cometida contra qualquer um, em qualquer canto deste mundo. É a característica mais bela de um revolucionário". Ernesto Che Guevara, guerrilheiro heroico.

2 comentários:

  1. Che guevara era um comunista assassino. Que bom que ele morreu. Comunistas nunca fizeram nada de bom pelo mundo. A única coisa que é desenvolvida sob comando comunista é arma para matar quem não concorda com essa babaquice.

    ResponderExcluir
  2. Prezado Lucas,
    Primeiramente agradeço a você por ter assinado seu comentário neste singelo blog. Muitas pessoas preferem o anonimato quando expressam sua opinião. Gostaria de fazer uma breve reflexão sobre o seu comentário:
    1.Concordo com você quando diz Ernesto Guevara de La Sierna era comunista, mas assassino eu discordo plenamente. Me relate por gentileza um assassinato cuja autoria se credite à Che Guevara. Assassino é aquele que tem a intenção de tirar a vida de uma outra pessoa, Che Guevara foi um guerrilheiro, lutava por um ideal e a forma de lutar que lhe cabia naqueles tempos era a luta armada. Ernesto Guevara enfrentou a ditadura de Fulgêncio Batista, para você ter noção do quão violenta era essa ditadura, peço a você a gentileza de acessar esse sítio na internet: http://www.granma.cubaweb.cu/marti-moncada/gm12.html . Neste sítio está a forma como a ditadura sanguinária de batista torturava e ASSASSINAVA quem fosse contra ela. Contra a violência reacionária a violência revolucionária se faz necessária, meu prezado.
    2.Você acha bom que ele morreu. Pois é muita gente também gostou, principalmente aqueles que são mestres em espoliar os povos, invadir países, acabar com nacionalidades. Esses que condenam milhões de crianças à fome, condenam à morte por doenças para as quais há muito tempo existem remédios acharam muito bom a morte de Che Guevara. Você está nesse time, meu prezado?
    3.Você diz que os comunistas nunca fizeram nada de bom pelo mundo. Te pergunto: quem derrotou o nazi-fascismo? Quem varreu da face da terra a ameaça de morte aos povos representada por Hitler e seus asseclas? Foi o povo de uma nação socialista, foi o povo soviético, que a partir de Stalingrado empreendeu uma jornada de vida até chegar ao reichstag em Berlim. Apesar da mídia e dos livros da história contada pelos capitalistas dizer que foi o dia D na Normandia, pra quem consegue enxergar por trás da cortina de fumaça é capaz de ver que essa estória não corresponde aos fatos. Eu creio que derrotar o fascismo foi uma coisa boa e muitos comunistas deram suas vidas pela liberdade dos povos.
    4.Quem é que sai por aí matando quem não se curva aos seus interesses são os EUA e a OTAN. Quem inventa guerra para vender armas? São os EUA e a OTAN. Vide, meu prezado, as sucessivas guerras fabricadas pelos ianques e pelos seus capachos europeus. Iraque, Líbia, daqui a pouco a Síria, Irã e não se assuste se a invasão dessas “forças da liberdade” aportarem aqui na América do Sul. Te sugiro um filme chamado “O Senhor das Armas”, creio que ele irá te esclarecer um pouco mais sobre tudo isso. Sugiro além desse filme mais dois: “Fahrenheit 11 de setembro” e “Capitalismo uma história de amor”, ambos do cineasta estadunidense Michael Moore.
    5.Você tem todo o direito de dizer que o comunismo é uma babaquice. Mas o que você pensa do capitalismo? Fica a pergunta.
    6.Agradeço o vosso comentário. Esse não é o primeiro e nem será o último comentário anticomunista que terei que tecer considerações a respeito neste blog. Espero que você seja jovem o bastante, pelo menos de espírito, para estudar e conhecer mais acerca do comunismo e dos comunistas. Espero que de fato você seja Lucas Sandoval e não um provocador “fake” como muitos que habitam a internet. Fique a vontade para expressar vossas opiniões. A internet nos dá essa liberdade de expressão, fundamental para que possamos falar o que pensamos e ouvir o que os outros têm a dizer.

    ResponderExcluir

Preencha o formulário: