Visitantes

domingo, 30 de outubro de 2011

Solidariedade de atletas à Orlando Silva


Para atleta, Orlando era “uma luz para os desportistas do país”


Atletas lamentaram nesta quarta-feira (26) o afastamento de Orlando Silva (PCdoB) da chefia do Ministério do Esporte. A decisão foi tomada durante uma reunião de Orlando com a presidente Dilma Rousseff e com o presidente nacional do PCdoB, Renato Rabelo. A ex-jogadora de vôlei Ana Moser e o ex-jogador de futebol Gilmar Rinaldi comentaram o caso por meio de seus perfis no Twitter.


Para Ana Moser, o esporte foi mais debatido e cresceu, saindo "do zero para o razoável" a partir da gestão de Orlando Silva. Já Gilmar Rinaldi classificou o ex-ministro como "uma luz para os desportistas de todo o país".

"Minha experiência com políticas públicas de esporte começou em 2000 e segue até hoje. (...) Nesses anos, vi o país avançar, participei de vários fóruns, encontros, conferências. O Brasil do esporte ampliou, aumentou a visibilidade. Se debateu mais, aumentaram as fontes de financiamento para ações de esporte. Concentrou no rendimento, mas também criou outras frentes. Ainda há muito a avançar, mas reconheço o trabalho de Orlando Silva e equipe. Que o próximo siga avançando", publicou a ex-jogadora em uma série de tweets.

Rinaldi demonstrou preocupação com o sucessor de Silva. "Quem vai pro lugar dele? O ministro Orlando Silva era uma luz para os desportistas de todo o país, pena que este trabalho não possa continuar, sem mérito da questão. Não podemos esquecer que a pessoa que ocupará este cargo vai nos representar perante o mundo todo. Acorda, gente, a Copa do mundo é aqui", postou.

Afirmando não entender de política, Rinaldi ressaltou que "o momento é delicado". "Podemos jogar fora uma esperança de mudar o destino de nossas crianças, que não tem nada a ver com política", escreveu, em alerta para mudanças pelas quais o esporte vinha passando e que ele considera positivas.


Com informações do Portal Terra

Carta Aberta a arnaldo jabor por Mauro Carrara

Cuidado que ele morde!

Comentário: Vejam no texto abaixo a melhor definição já vista até hoje sobre esse patife que responde pelo nome de arnaldo jabor. Esse texto é de 2010. Parabéns Mauro Carrara.


Carta Aberta a Arnaldo Jabor
De Mauro Carrara

Quase perfeitíssimo truão,

Primeiramente, atente ao substantivo, e não desconfie de insulto. Os bobos da corte são, historicamente, mais que promotores de fuzarca ou desvalidos a serviço do entretenimento. Os realmente talentosos urdiam na teia das anedotas a crítica a seus senhores monarcas, traduzindo pela ironia a bronca popular.

Era o caso do ácido e desengonçado Triboulet, vosso patrono, uma espécie de grilo falante capaz de estimular as consciências de Luís XII e Francisco I. Tantos outros venceram no ofício, como o impagável Cristobal de Pernia, uma espécie de conselheiro extra-oficial de Felipe IV.

Neste Brasil da pós-modernidade globalizante, el rei Dom Fernando Henrique Cardoso reviveu a bufonaria. No entanto, empregou-a de modo diverso, quase sempre como dissimulação hilariante para desviar atenções de sua ética de conveniência mercantil, tão bem definida por Dom José A. Gianotti, seu filósofo e encanador.

O ex-monarca utilizou ainda sua trupe de falastrões para promover a alienante festa pública sugerida por Maquiavel. Portanto, nunca é exagero te parabenizar pelo empenho profissional. Há anos, na ribalta televisiva, te devotas a divertir e iludir os "psites do sofá", mesmo depois que o tiranete a quem servias foi apeado do trono. Sempre diligente, conclamas e incitas, rebolando patranhas tal qual histriônico cabo de esquadra do restauracionismo.

Recentemente, contudo, causou-me espanto tua fúria salivante para edulcorar a participação do embusteiro Geraldo Alckmin no embate contra o grisalho herói de todos os sertões.

Como é próprio de teu ofício, fizeste rir ao embaralhar significados, ao abusar das hipérboles, ao exceder-se nos adjetivos impróprios, ao viajar na maionese das idéias desconexas.

No entanto, truão Jabor, prosperou aqui a dúvida. Que quiseste dizer com o clichê "choque de capitalismo"? Seria referência ao rombo de R$ 1,2 bilhão legado pelo embusteiro alquimista ao ressabiado governador Lembo? Ou seria apenas ironia herdada de teus predecessores, na profecia zombeteira de um novo "que comam brioches"?

Destacam-se também, como enigmas, tuas dupletas acres de escassa teoria. São os casos de "socialismo degradado", "populismo estatista" e "getulismo tardio". Eita, nóis! Que essas vigarices binárias nos viessem, ao menos, com sal de fruta. Né? Ora, de qual "socialismo" tratas? Será que resolveste, no supletivo dos sexagenários, estudar a industria cultural e as idéias de Adorno? Hum... Pouco provável.

No que tange ao termo "populismo", arrisco uma resposta. Tu o compraste na escribaria de ordenança dos novos donatários. É coisa do bazar de tolices de Civita e Frias Filho. Acertei? Diga aí...

Mas o que queres dizer com "getulismo"? Pelo que percebi, escapa-te o fenômeno à compreensão histórica. Tratas daquele do Departamento de Imprensa e Propaganda? Ou te referes àquele das necessárias justiças trabalhistas?

Outros exageros me encafifaram em tua anedota de encomenda. Tratas lisergicamente de um São Paulo "rico", como se construído dos empenhos da malta quatrocentona. Em teus seminários de apedeuta, desapareceu o povo. Evaporaram-se João Ramalho, Bartira, Tibiriçá, Anchieta, tantos mamelucos arabizados, tantos avós europeus aqui remixados, tantos irmãos nordestinos que ergueram nossos arranha-céus. Teu São Paulo mítico, tristemente, não admite a antropofagia.

E tem mais... Em tua pregação, o embusteiro Alckmin surge como legítimo herdeiro da alva elite construtora do progresso. Nesse delírio pós-positivista e lombrosiano, não há rastro da gestão criminosa dos privateiros tucanos, dos sonegadores dasluzeiros, dos pedageiros corruptos e dos sócios do marcolismo. Não te rendeste ao excesso? Ai, ai, ai...

Agitando guizos, executas tua prestidigitação. Empregas, em simultâneo, o sapato pontudo para alojar sob o tapete o sacrifício juvenil na Febem, as nove centenas de contratos irregulares e o estupendo assalto ao tesouro da gente bandeirante. Não exageraste? És bufão ou advogado, truão Jabor?

Entre tuas deformações, tão valiosas ao ofício, suponho até mesmo a cegueira de um olho. Ignoras o júbilo de milhões de vassalos não mais famintos, agora metidos a escrever o próprio nome. Vê, quanto atrevimento! Tampouco registras a voz de ameríndios e afro-descendentes, agora perigosamente mais próximos de ti, a tomar lugar nos bancos da universidades. Não enxergas a energia elétrica nos grotões nem o canto de esperança dos humildes da terra, fortalecidos em cooperativas de produção.

Depois, qual demiurgo de botequim, dizes que o nasolongo Alckmin é "incisivo", enquanto o outro te parece "evasivo". Ladino que és, julgas os combatentes pelo aspecto cênico e não pela natureza das idéias. No caso do embusteiro alquimista, excedes ao elogiar o espantalho bélico, aplicadíssimo ao método stanislavskiano. Ora, magnífico truão, todos vimos que o herói de todos os sertões é adepto de outra técnica. Pisa o palco de Brecht, revelando-se como realmente é, antes que se mistifique no papel de fundeiro de microfone.

Cantaste, portanto, a vitória do "limpinho", do "sem barba", do malcriado que imita Tyson. Como líder de torcida, vibraste na platéia, tuas pernas flácidas saltitando de contentamento, as mãos agitando invisíveis fitas coloridas. Ah, mas perdeste a razão...

Depois, destilaste teu parvo sarcasmo sobre o "povo", sobre a "mãe analfabeta" do operário e sobre os "pobres", em suma, sobre esses todos do "lado de cá". Na piada rancorosa, revelaste um desprezo moldado para a auto-proteção.

Sabes o quanto é doloroso viver deste lado da linha, no território dos anônimos, dos que sofrem e trabalham de verdade.

Se há dialética nesta missiva, agrego teus motivos. Sabes o valor de uma adoção real, ainda que precises caminhar de quatro, atado à coleirinha de el rei. Sabes o quanto é estratégica essa assepsia, esse descontato com o ímpio das ruas, dos campos e das construções.

Assim, me permito uma visita a teu passado. Tua obra "séria" resultou, caro truão, em enorme fracasso. E, disso, bem sabes. Por um tempo, tuas ventosas de sanguessuga agarraram algumas tetas públicas. Desse modo, pudeste alimentar teus espetáculos de terceira categoria, ainda que fizessem rir quando a intenção era pretensiosamente induzir à reflexão.

Incerto dia, pobre de ti, todo o oportunismo de parasita foi castigado, de modo que te encontraste novamente vadio, mergulhado na mais profunda frustração. Naquele momento, julgo, buscaste inspiração em Triboulet...

Na Vênus Platinada do decrépito Marinho, iniciaste tua pândega panfletária, calcada na manipulação marota de cacos de idéias. Nada por inteiro. Coerente para quem, por natureza, carece de integridade.

Esse flashback permite, portanto, compreender melhor o roteiro cínico. Tanto faz se teu senhor largou o reino às escuras, se destacou piratas para pilhar o patrimônio público, se foi incompetente até mesmo para empreender no capitalismo que tanto celebras. Às tuas costas, no tempo, estende-se a terra arrasada pela peste do egoísmo, habitada de fariseus neoliberais e de peruas ridículas e mesquinhas. Por meio da ruidosa retórica de falso indignado, desvias o olhar público dessa paisagem da tragédia.

Para seguir o ato farsesco, fazes descer o pano da falácia sinistra do golpismo lacerdista, da distorção, da maledicência e da espetacularização do rito inquisitório. Simulas ver aqui, em alto grau, o que ignoras ali. Na telinha da "Grobo", distribui sofismas, injetas no sangue de Otello a desconfiança, patrocinas a intriga nacional.

Poder-se-ia encontrar em ti o personagem Sacripante. Uma observação acurada, entretanto, revela mais um Silvério dos Reis das artes cênicas. Certa vez, me disse Henfil: "o pior humorista é o que vende sua comédia aos canalhas que fazem o povo chorar". Simples, didático, serve à elaboração de um código de ética de tua categoria.

Pois, tua notícia deturpada do embate, devotado truão, mostrou-se cômico engodo. Foi lá, teu embusteiro "truco-lento" dar com as fuças na parede. Saiu do campo laureado e enganado, pior que Pirro. Este, menos imbecil, admitiu que a vitória contra os romanos fora uma tragédia, o prólogo de sua ruína.

Portanto, o exemplo da derrota também te serve. Decisivamente, ainda que te gabes, jamais superaste Paulo Francis, o bobo da corte mais destro nessas artes de sabujo-rabujo. E se cultivas alguma pretensão de hegemonia, te sugiro mover o pescocinho atrofiado. Pilantrinhas peraltas, como Mainardi e Azevedo, emparelham já contigo, disputam hidrofobicamente a suprema magistratura da bufonaria.

E, percebe truão, que a dupla tonto-fascista não te fica a dever: são também inescrupulosos, traiçoeiros e carregam a poderosa energia do ressentimento, sem contar que igualmente migraram do fracasso profissional para a aventura mercenária midiática.

Por fim, adorável truão, ajusta o relógio da tua soberba. Não é hora de celebrar a ignomínia convertida em comédia. Nem é momento de levantar a horda de rufiões da "ética" para cantar a vitória restauracionista. Para além dos simulacros do teu moralismo cínico, lambuzado de paroxismos impróprios, exercita-se o sabre do julgamento público, implacável, aquele cuja lâmina é afiada pelo tempo. Subiram os letreiros... Perdeste o charme. Perdeste a graça.

Nota de Boca de Mídia sobre o autor:
Mauro Carrara é jornalista, nascido em 1939, no Brás, em São Paulo. É o segundo filho de Giuseppe Carrara, professor de Filosofia em Bologna, e de Grazia Benedetti, uma operária e militante comunista de Nápoli. O casal chegou ao Brasil em 1934, fugindo da perseguição fascista. Mauro foi para a Itália em 1959, por sugestão do amigo dramaturgo G. Guarnieri. Em Firenze, estudou arte, ciências sociais e comunicação. De volta ao Brasil, passou dois anos na Amazônia. Ao atuar na defesa dos povos indígenas, foi preso pelo regime militar. Libertado, voltou à Itália. Como free-lancer, produziu reportagens para jornais como L’Unita e Il Manifesto. Com o primo Antonino, esteve no Vietnã, no início da década de 70. Em 1973, no Chile, juntou-se à resistência ao golpe contra Allende. No Brasil, como clandestino, aproximou-se do cartunista Henfil, cujos trabalhos traduziu para uma revista alternativa italiana. Na década de 80, prestou serviços para a ONU em países como China, Iraque e Marrocos. Nos anos 90, assessorou ONGs brasileiras, especialmente na área de Direitos Humanos. Ainda atua na área de comunicação e relações internacionais.


Fonte: http://www.novae.inf.br

Arnaldo Jabor: "Finalmente Orlando Silva caiu do galho"



Comentário:  arnaldo jabor faz parte da mesma gangue de sacripantas que o tal rafinha bastos. jabor é um bobo da corte da elite branca brasileira. jabor lave sua boca com jábon antes de falar do PCdoB e de um grande homem como JOÃO AMAZONAS. Não se pode tolerar que alucinados como jabor saia por aí destilando racismo aos quatro cantos. Só nos resta o PIG dizer que censurar jabor é um atentado à liberdade de expressão. Ele pode falar a asneira que quiser, disfarçar seu discurso fascista por meio de suas performances teatrais, mas racismo não bobo da corte! Aí tu tá enquadrado! Tu perdeu mané!

28 de Outubro de 2011 - 19h15

Jabor destila racismo contra Orlando e é rechaçado no Twitter


Em comentário na Rádio CBN, na última quinta (27), o cineasta e jornalista Arnaldo Jabor destilou todo o seu preconceito e anticomunismo ao comemorar a saída de Orlando Silva do Ministério do Esporte. "Finalmente, o Orlando Silva caiu do galho”, disse Jabor, ao iniciar sua fala na rádio. Além de associar, indiretamente, o ex-ministro a um “macaco”, o que se segue é uma saraivada de xingamentos gratuitos e raivosos contra Orlando, o PCdoB e a UNE. As declarações geraram reação nas mídias sociais.


Utilizando-se de toda a teatralidade de que é capaz, o comentarista da ultradireita esculhamba não só com a sigla comunista, mas joga todos os partidos na vala comum da corrupção, discurso muito comum entre os que tentam desacreditar a política e os políticos.

Mas é contra o PCdoB que ele centra fogo. Jabor não só reforça o coro da mídia como um todo - que tem alimentado o noticiário com denúncias a respeito das quais não há nenhuma prova sequer - como toma como verdade as acusações que nem chegaram a ser investigadas. E passa dos limites, ao agredir até o falecido líder comunista João Amazonas, classificando-lhe como um "delirante maoista".

Com sua metralhadora de adjetivos desabonadores, dispara também contra a UNE. Numa demonstração de completa neurastenia, ele chama jovens de "malandros" e "oportunistas", depois os acusa de desviariam dinheiro.

O comentário provocou reação. Nas redes sociais, até a noite desta sexta (28), crescia o movimento em repúdio ao jornalista, que desrespeita as principais regras da profissão. Com a hastag #ArnaldoJaborRacista, os internautas defenderam o PCdoB e cobravam um processo contra Jabor por racismo.

"Espero uma atitude imediata da justiça pq no Brasil Racismo é crime inafiançável #ArnaldoJaborRacista", postou a tuiteira @Marianna_UFRN . O presidente da Ubes, Yann Evanovick, também rebateu, em sua conta no twitter @YannUbes: "Jabor no Brasil de hoje representa o que tem de pior na sociedade. Isso é para os que acreditam que no Brasil não tem mais racismo. #vergonha".

Até a ministra-chefe da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência, Maria do Rosário, criticou o comentarista no microblog. "Quero repudiar veementemente a declaração racista do Arnaldo Jabor sobre o ex-ministro Orlando Silva. Isso é inaceitável!", escreveu.

A entidade do movimento negro Unegro anunciou que lançará manifesto de repúdio às declarações de Arnaldo Jabor e exigindo sua imediata demissão, além de uma investigação do Ministério Público por crime de racismo.

Da Redação

quinta-feira, 27 de outubro de 2011

Aldo Rebelo nos Esportes: Brizola Neto comenta

Comentário: O texto de Brizola Neto revela que a vida de Ricardo Teixeira e da mídia golpista não será fácil com Rebelo nos Esportes. Nada como um dia após o outro para que a cortina de fumaça se desfaça. A saída de Orlando Silva vai permitir que ele se defenda com mais veemência das acusações que lhe são inflingidas, ao mesmo tempo como destaca Brizola a direita e o PIG estão gostando do jogo. Creio que além de um bom zagueiro, nós estamos precisando de um ótimo atacante. O placar para o time do povo está desfavorável. O PIG está ganhando de goleada.

 

Do blog Tudo em Cima, de André Lux

Aldo e a necesidade de um zagueiro-zagueiro

O ministro Aldo Rebelo
- por Brizola Neto, deputado federal (PDT)

Quem parar para refletir um pouco verá que a saída do Ministro Orlando Silva do Ministério dos Esportes tem menos a ver com a onda de denúncias contra ele do que com a necessidade política do governo de ter alguém capaz de enfrentar os brucutus da Fifa e o presidente da CBF, Ricardo Teixeira.

Isso ficou claro quando Dilma ignorou solenemente o cartola brasileiro e botou do seu lado Pelé como figura símbolo da Copa no Brasil.

Teixeira, como se sabe, está sendo acusado de malversações de recursos, junto com outros dirigentes da Fifa, num processo que corre em segredo de Justiça na Suíça, que teve parte de seu suposto conteúdo revelado ontem, no Senado, pelo jornalista inglês Andrew Jennings.

A Fifa também o pressiona, ameaçando tornar disponíveis as informações do processo, algo do que duvido, porque uma andorinha só não faz verão nestas coisas.

Orlando ficou pequeno, politicamente, para enfrentar essa linha de ataque.

Diferente do que se passava com Lula, capaz de desarmar as jogadas mais perigosas, matar no peito e sair jogando, para Dilma era insuficiente um zagueiro que pudesse ser facilmente driblado. E que, ainda pior, era politicamente frágil, incapaz de resistir à onda que levantaram contra ele.

Esta é a razão essencial. E é compreensível e provável que Aldo Rebelo, um homem de quem se pode discordar aqui e ali, mas que é sólido e capaz, politicamente, possa desempenhar melhor este papel.

Aldo já pisou em todos os tapetes e não haverá conversas que o deslumbrem. E conhece o assunto. Foi ele quem começou a colher assinaturas, em 99, para a CPI para analisar a regularidade do contrato entre a CBF e a Nike, presidiu-a e os resultados só não foram melhores porque as irregularidades apontadas nunca tiveram uma investigação que desdobrasse com vigor as irregularidades apontadas em relação a Ricardo Teixeira.

Aldo, nesta matéria, se mantiver aquela postura, será um zagueiro-zagueiro, destes que metem medo nos atacantes, apesar de seus modos gentis.

Outra coisa, muito diferente, é a forma com que tudo ocorreu, na política.

Em primeiro lugar, ocorreu um massacre de um dirigente político sem condições, de comunicação e de estatura política, de defender-se. Houve pouco ou nenhum rigor nas “apurações”, tanto que a acusação mais forte, a que detonou todo o processo, feita pelo mais do que suspeito soldado-milionário, a de que havia sido entregue dinheiro na garagem do Ministério – que desde o primeiro dia dissemos ser inverossímil - acabou sendo desmentida pelo próprio acusador.

Isso, claro, não tem nenhuma importância.

A função da denúncia já tinha sido alcançada, e começou uma vasculhação geral sobre cada um dos milhares de convênios e atos do Ministério, coisas de anos atrás às quais a nossa investigativa imprensa, até então, não tinha dado qualquer importância. ora, qualquer um vê que não é investigação a palavra que o define, mas devassa.

Corre um sério perigo quem acha que se pode usar o apetite do monstro que se tornou a mídia brasileira como arma de sua própria estabilidade política. Porque a cada vítima que faz, ele se torna mais sequioso e convicto de seu poder. Já exige não apuração dos fatos, mas demissão sumária de todo aquele que fulmine com seus raios de “moralidade pública”.

Haverá um próximo ataque, e as condições de defesa, a cada vítima, pioram. Eles estão, como se diz no futebol, gostando do jogo.

E isso é mais que perigoso, é temerário.

Mais do CQC, Rafinha Bastos e Marcelo Tas

Comentário: Diferentemente de André Lux eu cheguei a acompanhar alguns CQC's no início desse enlatado da TV Bandeirantes. Depois de um tempo cai na real de que não valia a pena perder tempo com esses babacas e que se eu queria rir era só abrir os e-mails do meu amigo Hamilton e dar boas gargalhadas. O problema é que tem muita gente boa que acha que se politiza vendo o tal CQC. O artigo postado por André Lux em seu blog www.tudo-em-cima.blogspot.com, revela o caráter do comandante da mesa, o tal marcelo tas.

 

Marcelo Tas não passa de um covarde cínico e hipócrita

Por tudo que fez e deixou de fazer no episódio da censura ao colega Rafinha Bastos, o sujeito mostrou que o caráter dele é feito de algo que ele realmente tem de sobra: bosta.

Marcelo Tas provou que é um bosta
- por André Lux, jornalista

Bom, vou dar meus pitacos na recente polêmica envolvendo o tal de Rafinha Bastos e seu afastamento do programa CQC da TV Bandeirantes.

Pra começo de conversa deixo claro que nunca assisti a esse programa e também nunca vi qualquer performance do Bastos. Mas, obviamente, acompanho pela blogosfera, pelas redes sociais e pelos sites independentes as polêmicas e os desdobramentos das grosserias que são apresentadas no programa comandado pelo Marcelo Tas. Então posso dizer que tenho uma boa ideia do que se trata e, obviamente, concluo que é mais um exemplar de lixo televisivo disfarçado de "atração cômica" que, mais grave, ainda acha que tem caráter "politizador" só porque causa constrangimento público em políticos.

Também faço questão de deixar claro que nunca gostei desse Marcelo Tas. Desde a época em que ele aparecia em alguns programas da TV Cultura, sempre achei-o um sujeito metido a besta, pseudo-intelecutal, afetado em demasia e, acima de tudo, completamente sem graça. Enfim, é uma espécie de bobo alegre que se leva a sério e realmente se julga um gênio da comédia (bem sabemos que os verdadeiros gênios são intrinsecamente humildes).

Abrindo um parênteses, para mim o verdadeiro comediante é aquele que sabe, antes de mais nada, rir de si mesmo, que não se leva a sério e que nunca faz gozação usando um ponto de vista opressivo ou do opressor - exceto quando sua intenção é justamente ridicularizar o opressor. Estão aí Charles Chaplin, Jacques Tati, Peter Sellers e toda a gangue do Monty Phyton para não me deixar mentir.

Corta para a nova polêmica imbecil envolvendo um dos membros mais infames do programa CQC. Depois de proferir centenas de comentários preconceituosos, sexistas, agressivos ou simplesmente grosseiros contra, essencialmente, minorias (principalmente os gays), pobres e mulheres, o tal de Rafinha Bastos acabou sendo afastado do programa por mexer com quem não devia. Ou seja, disparou sua saraivada de baixarias contra uma celebridade e causou a fúria de quem é dono da grana. Assim, pauzinhos foram mexidos e os donos da TV Bandeirantes, que não rasgam dinheiro, acharam por bem "censurar" o playboy chegado num bullying.

Como bem frisou Gilberto Maringoni em seu artigo na Agência Carta Maior, "O integrante do CQC, que fez piada de péssimo gosto com Wanessa Camargo, já falara coisas piores. Agora mexeu com esposa de milionário, que ameaçou tirar anúncios da TV Bandeirantes. Ninguém classificou caso como atentado à liberdade de expressão. Já quando ministra condena comercial de lingerie machista, o coro é um só: “Censura”!"

Exatamente. Assim, o mesmo Marcelo Tas que vive dando xiliques contra uma suposta agenda de cerceamento da liberdade de expressão que faz parte do governo federal, primeiramente calou-se em relação à censura feita contra seu próprio colega de programa e certamente uma das suas principais atrações (lembrem-se que estamos falando da pessoa "mais influente do mundo", segundo o jornal The New York Times - eu fico aqui imaginando que tipo de pessoa se deixa influenciar por um idiota do tamanho de um Rafinha Bastos!).

Agora, questionado em um entrevista para um portal que não me lembro o nome, o bobo alegre do Marcelo Tas afirma que "é preciso fazer humor, mas com responsabilidade", enquanto condena o politicamente correto. No português correto isso significa uma só coisa: Marcelo Tas, o autoproclamado cavaleiro andante a favor da liberdade de expressão, saiu pela tangente e provou de forma cabal que não passa de um covardezinho cínico e hipócrita. Na hora em que tinha que realmente defender a liberdade de expressão (e de um colega de trabalho!), enfiou o rabinho entre as pernas e correu lamber as botas do patrão.

São em momentos como esses que uma pessoa mostra quem realmente é e de que é feito seu caráter. Por tudo que fez e deixou de fazer no episódio da censura ao colega Rafinha Bastos, o Marcelo Tas mostrou que o caráter dele é feito de algo que ele realmente tem de sobra: bosta.

Wikileaks aponta Wiliam Waack como informante do governo dos EUA



Olha a cara do Willie quando ficou sabendo que a Dilma havia venncido as eleições de 2010


Comentário: Tem gente que se acha informado por assistir ao Jornal da globo. Ouve os comentários de agentes infiltrados como Waack e amebas como Jabor e se considera atualizado. Vejam abaixo infromações sobre esse informante-entreguista.

Do Portal Vermelho

O repórter William Waack, da Rede Globo de Televisão, foi apontado como informante do governo norte-americano, segundo post do blog Brasil que Vai – que citou documentos sigilosos trazidos a público pelo site Wikileaks há pouco menos de dois meses. De acordo com o texto, Waack foi indicado por membros do governo dos EUA para “sustentar posições na mídia brasileira afinadas com as grandes linhas da política externa americana”.



Por essa razão, ainda segundo o texto, é que se sentiu à vontade para protagonizar insólitos episódios na programação que conduz, nos quais não faltaram sequer palavrões dirigidos a autoridades do governo brasileiro.

O post informa ainda que a política externa brasileira tem “novas orientações” que “não mais se coadunam nem com os interesses americanos, que se preocupam com o cosmopolitismo nacional, nem com os do Estado de Israel, influente no ‘stablishment’ norte- americano”. Por isso, o Departamento de Estado dos EUA “buscou fincar estacas nos meios de comunicação especializados em política internacional do Brasil” - no que seria um caso de “infiltração da CIA [a agência norte-americana de inteligência] nas instituições do país”.

O post do blog afirma ainda que os documentos divulgados pelo Wikileaks de encontros regulares de Waack com o embaixador do EUA no Brasil e com autoridades do Departamento de Estado e da Embaixada de Israel “mostram que sua atuação atende a outro comando que não aquele instalado no Jardim Botânico do Rio de Janeiro”.

Fonte: R7

Queda de Orlando Silva serve de alerta

Comentário: A agenda desse país está sendo ditada pelo panfleto fascistóide veja. Acorda Presidenta Dilma. Esse artigo de Altamiro Borges serve de alerta. Se faz necessário um amplo movimento para impedir essa estratégia Lacerdista de golpe. Todas as pessoas progressistas estão convocadas para essa batalha.


Por Altamiro Borges

O lamentável episódio da queda do ministro Orlando Silva deveria servir de alerta às forças democráticas da sociedade brasileira – que lutaram contra as torturas e assassinatos na ditadura militar e que, hoje, precisam encarar como estratégica a luta contra a ditadura midiática, em defesa da verdadeira liberdade de expressão e da efetiva ampliação da democracia no Brasil.

A mídia hegemônica hoje tem um poder tão descomunal que ela “investiga”, sempre de forma seletiva (blindando seus capachos); tortura (seviciando, inclusive, as famílias das vítimas); usa testemunhas “bandidas” (como um policial preso por corrupção, enriquecimento ilícito e suspeito de assassinato); julga (sem dar espaço aos “acusados”); condena (como nos tribunais nazistas); e fuzila!



Um pragmatismo covarde e suicida

Ninguém está imune ao poder ditatorial da mídia, controlada por sete famílias – Marinho (Globo), Macedo (Record), Saad (Band), Abravanel (SBT), Civita (Abril), Frias (Folha) e Mesquita (Estadão). Como o império Murdoch, hoje investigado por seus subornos e escutas ilegais, a mídia nativa é criminosa, mafiosa, sádica e abjeta. Ela manipula informações e deforma comportamentos.

Não dá mais para aceitar passivamente seu poder altamente concentrado, que, como disse o governador Tarso Genro – pena que não tenha agido com esta visão quando ministro da Justiça –, ruma para um “fascismo pós-moderno”. Essa ditadura amedronta e acovarda políticos sem vértebra, pauta a agenda política, difunde os dogmas do “deus-mercado” e criminaliza as lutas sociais.

Três desafios diante da ditadura midiática

Esta ditadura é cruel, sem qualquer escrúpulo ou compaixão. Ela utiliza seus jagunços bem pagos, sob o invólucro de “colunista” e “comentaristas”, para fazer o trabalho sujo. Muitos são agentes do “deus-mercado”, lucram com seus negócios rentistas; outros são adeptos da “massa cheirosa”, das elites arrogantes e burras. Eles fingem ser “neutros”, mas são adoradores da direita fascistóide.

Enquanto não se enfrentar esta ditadura midiática, não haverá avanços na democracia brasileira, na luta dos trabalhadores ou na superação das barbáries capitalistas. Neste enfrentamento, três desafios estão colocados:

1- Não ter qualquer ilusão com a mídia hegemônica; chega de babaquice e servilismo diante da chamada “grande imprensa”;

2- Investir em instrumentos próprios de comunicação. A luta de idéias não é “gasto”, é investimento estratégico;

3- Lutar pela regulação da mídia e por políticas públicas na comunicação, que coíbam o poder fascista do império midiático.

Chega de covardia diante dos fascistas midiáticos

O criminoso episódio da tentativa de invasão do apartamento do ex-ministro José Dirceu num hotel em Brasília parece que serviu de sinal de alerta ao PT. Em seu encontro nacional, o partido aprovou a urgência de um novo marco regulatório da comunicação. Um seminário está previsto para final de novembro. Já no caso da queda Orlando Silva, o clima é de total indignação e revolta.

Que estes trágicos casos sirvam para mostrar que, de fato, a luta pela democratização da comunicação é uma questão estratégica. Não dá mais para se acovardar diante da ditadura da mídia. O governo Dilma precisa ficar esperto. Hoje são ministros depostos; amanhã será o sangramento e a derrota da própria presidenta e do seu projeto, moderado, de mudanças no Brasil.

Superar a choradeira e a defensiva

A esquerda política e social precisa rapidamente definir um plano de ação unitário de enfrentamento à ditadura midiática. As centrais sindicais e os movimentos populares, tão criminalizados em suas lutas, precisam sair da defensiva e da choradeira. Os partidos progressistas também precisam superar seu pragmatismo acovardado. A conjuntura exige respostas altivas e corajosas!

É urgente pressionar o governo Dilma Rousseff, pautado e refém da mídia, a mudar de atitude. Do contrário, não sobrará que defenda a continuidade deste projeto, moderado, de mudanças no Brasil. A direita retornará ao poder, alavancada pela mídia! Aécio Neves, o chefe de censura em Minas Gerais, será presidente! E ACM Neto, o herói da degola de Orlando Silva, será o chefe da Casa Civil!

quarta-feira, 26 de outubro de 2011

Policial não vai à Câmara: PCdoB denuncia farsa da oposição

 
João "Pinóquio" Dias, cadê as provas?

Comentário: Por que as provas não aparecem???

A ausência do policial João Dias na audiência pública na Comissão de Fiscalização Financeira e Controle da Câmara, nesta quarta-feira (26), recebeu críticas dos deputados do PCdoB. O deputado Daniel Almeida (PCdoB-BA), membro da comissão, disse que “essa comissão e a Câmara foram desrespeitadas, não pela ausência de João Dias, porque sabemos quem é, é um criminoso, o que não é possível admitir que os autores do requerimento façam parte dessa farsa para desmoralizar essa comissão e essa Casa”.


O líder do PCdoB, deputado Osmar Júnior (PI), Ao tomar conhecimento da ausência do policial, reforçou que ele não tem provas das denúncias de corrupção. “João Dias não está aqui porque ele não tem como provar o que diz, assim como não teve nenhum documento para entregar à Polícia Federal”, afirmou.

Para a deputada Alice Portugal (PCdoB-BA), “esse cidadão faz denúncias vazias, sem provas, e se comprometeu a vir a Câmara dar esclarecimentos. A omissão dele hoje prova que as denúncias são vazias. Isso é um verdadeiro circo”, disse a parlamentar.

O presidente da Comissão de Fiscalização Financeira e Controle, deputado Sérgio Brito (PSD-BA), anunciou, no início da reunião, que o policial militar João Dias não atenderia a convocação da Câmara. De acordo com o deputado, a informação foi dada pelo advogado do policial, que não justificou o motivo da ausência. O convite ao policial foi proposto pelo líder do DEM, deputado Antonio Carlos Magalhães Neto (BA).

Em audiência na Câmara, na semana passada, o ministro do Esporte disse que não cometeu irregularidades na execução do programa Segundo Tempo e argumentou que o policial não apresentou provas.

Na ocasião, o ministro Orlando Silva disse que colocou seus sigilos à disposição e que pediu a abertura de inquérito na Polícia Federal e de investigação no Ministério Público para apurar as denúncias.

De Brasília
Márcia Xavier
Com Agência Câmara

Por que estão ocupando Wall Street??? TJ Kincaid responde.



Comentário: Eis um verdadeiro esporro pedagógico!!! Hehehehehehehehehehehehe! Vamos ocupar a realidade!!!

VOCÊ SABIA?????



Você sabia que 20 mil pessoas estão acampadas em frente a bolsa de valores de Nova York no movimento Occupy Wall Street há 4 semanas? Você sabia que a polícia tentou remover os manifestantes no ultimo final de semana prendendo mais de 700 pessoas e não conseguiu dispersar a manifestação? Você sabia que... Hackers atacaram e derrubaram Homebroak da bolsa de NY no dia 10-10-11? Você sabia que mais de 1000 cidades dos EUA entraram no processo de ocupação e a mídia não está transmitindo? Você sabia que os manifestantes estão agora fazendo piquetes na frente das casas dos banqueiros? Você sabia que a maior manifestação global "Global Revolution for Real Democracy" (Revolução Global por Democracia Real) aconteceu 15 de outubro? Não?!

Então pare de se informar pelos meios tradicionais e busque outros.

domingo, 23 de outubro de 2011

1, 2, 3, 4, 5, 1000 e Viva o Partido Comunista do Brasil!!!

Comentário: Relatos da vitoriosa Conferência Estadual do Partido Comunista do Brasil no Rio de Janeiro!!!


Energia Revolucionária


Se um desavisado passasse pelo auditório do Hotel Rio’s Presidente, no Centro da Cidade Maravilhosa, talvez estranhasse um certo clima de festa que reinava na abertura da 17ª Conferência Estadual do PCdoB-RJ, dedicada a um desagravo ao Partido e ao Ministro Orlando Silva. Por Wevergton Brito Lima*


O desavisado em questão teria certa razão no seu estranhamento. Afinal, a mídia hegemônica tentou, através de uma avalanche de mentiras e calúnias, jogar os comunistas na defensiva, atacando suas lideranças, enxovalhando sua história e difamando sua tática política.

No entanto, o que viu o “desavisado”? Um auditório lotado por uma militância aguerrida, de moral elevada e de espinha ereta. Essa militância, formada por uma juventude entusiasmada (e que entusiasma), por combativos sindicalistas e por ativistas de todas as frentes, deve ter deixado nosso “desavisado” de queixo caído.

Os representantes da mídia hegemônica presentes, independente das mentiras que possam vir a publicar sobre o ato, terão uma má notícia para contar aos seus patrões (pois para os patrões eles têm que dizer a verdade) “Chefe...O PCdoB NÃO SE DOBROU!”

Mesmo os desavisados e os representantes da mídia hegemônica devem ter sentido que, no ar, pairava uma energia diferente. Era a energia revolucionária de um Partido temperado por 90 anos de lutas e que vai sorrindo para as batalhas.

* Wevergton Brito Lima é jornalista e Secretário de Comunicação do PCdoB-RJ.






Papagaio de Papel - Paulinho Pedra Azul



Comentário: Pra começar a semana... " papagaio de papel lá no alto és condor, leva longe o meu sonho de menino e de amor..." Viva Paulinho Pedra Azul, grande poeta!!!

Agradecimento a Dias Gomes Júnior por postar no youtube esse vídeo com essa bela trilha sonora.

sexta-feira, 21 de outubro de 2011

Onde estão as provas???


Comentário: Cabe ao acusador o ônus da prova! Onde estão as provas???

João Dias não apresenta provas à PF

Por Pedro Peduzzi e Roberta Lopes, na Agência Brasil:

A Polícia Federal informa que até agora não recebeu do policial militar João Dias Ferreira, autor de denúncias sobre a existência de um esquema de corrupção no Ministério do Esporte, nenhum documento ou gravação que possa resultar em prova material para embasar as investigações sobre o caso que envolve o ministro da pasta, Orlando Silva.

A informação foi confirmada hoje (21) pela Agência Brasil no Departamento de Polícia Federal, no Instituto Nacional de Criminalística e nas superintendências da PF no Distrito Federal e em São Paulo.

Ao deixar a Superintendência da Polícia Federal no DF, onde prestou depoimento por mais de sete horas na quarta-feira (19), João Dias disse ter entregue “alguns materiais, algumas provas, algumas degravações e alguns documentos fraudados emitidos pelo ministério”. Além disso, ele prometeu entregar novos documentos e áudios na segunda-feira (24).

Em matéria publicada pela revista Veja, o militar denunciou um esquema de corrupção no Programa Segundo Tempo, que repassa recursos para incentivar a prática de esportes entre crianças de baixa renda. Segundo a publicação, o próprio ministro recebeu dinheiro desviado do programa, em troca da liberação de recursos para uma organização não governamental.






vejaM o caráter da fonte de veja!!!

 

João Dias: fonte da Veja é assassino?

Por Altamiro Borges

A revista Veja e seus “calunistas” amestrados, com o seu jornalismo de esgoto, podem ter entrado em outra fria. No episódio da tentativa de invasão do apartamento do dirigente petista José Dirceu num hotel de Brasília, a ação mafiosa foi desbaratada e virou caso de Polícia, que concluiu seu inquérito. O ex-ministro já anunciou que processará a revista e o repórter criminoso.



Já no episódio do linchamento público do ministro Orlando Silva, a principal fonte da Veja se enrola a cada dia que passa. Agora, surge a denúncia de que o João Dias teria assassinado um policial que investigava suas maracutaias. A informação bombástica foi publicada no final da noite desta quinta-feira (20) no sítio Brasil-247 – que nem morre de amores pelo ministro Orlando Silva:

*****

Pivô da crise nos esportes está ligado a assassinato

Dois anos atrás, em outubro de 2009, um policial foi assassinado em Brasília. Luiz Carlos Ferreira Soares, que tinha o apelido de Clark, foi encontrado morto num Renault Clio, com um tiro no peito e a cabeça virada para trás. Sem explicações para a morte, a polícia civil do Distrito Federal fechou a investigação concluindo pela hipótese de latrocínio.

Um detalhe no corpo de Clark chamou a atenção dos investigadores, mas jamais foi investigado a fundo. O policial tinha o pulso quebrado. De acordo com uma testemunha, Michael Vieira da Silva, Clark havia sido vítima do policial João Dias, mestre em artes marciais e também na técnica relacionada à quebra do pulso – o que pode levar à morte.

O motivo: Clark investigava as fraudes no Ministério dos Esportes e o policial João Dias, que recebeu R$ 2 milhões do governo para a sua ONG, era um dos alvos. A Operação da qual Clark participava se chamava Kung-Fu. Tempos depois, ela foi rebatizada como Shaolin e acabou levando João Dias à prisão...


*****

A mídia investigará o assassinato?

João Dias, principal fonte da inescrupulosa revista Veja, é alvo do inquérito 47406, da Polícia Federal. Ele é acusado por lavagem de dinheiro, apropriação indébita e formação de quadrilha. Ele desviou mais de R$ 2 milhões do Ministério do Esporte. Usou parte desta grana para comprar uma mansão de luxo em Sobradinho, carros importados e duas academias de ginástica.

Por isso, foi penalizado pelo Ministério, que exigiu ressarcimento dos recursos aos cofres públicos. Desesperado, ele partiu para a vingança e chantagem. A Veja deu guarita ao criminoso. Agora, surge a denúncia de que ele participou de um assassinato. Será que a revista investigará o caso? Será que Fantástico, da TV Globo, reconhecerá de deu espaço para uma pessoa acusada de homicídio?

quinta-feira, 20 de outubro de 2011

Programa do PCdoB na TV desta 5a feira


Comentário: O compromisso de nós comunistas é a luta pela verdade e pela justiça.

Professor Olival Freire é um dos ganhadores do Prêmio Jabuti 2011

Comentário: Tive a honra de conhecer o Prof. Olival Freire Jr. em 1998 durante o Encontro Nacional de Estudantes de Física realizado na Universidade Federal da Bahia em Salvador. Na ocasião ele nos brindou com um mini-curso sobre Física Quântica. O Prof. Olival Freire Jr. além da capacidade científica na área de Física tem também uma vasta formação cultural. Foi editor da Revista Princípios e atualmente é Coordenador Geral do Conselho Nacional de Ciência e Tecnologia.


Capa do livro do Prof. Olival

O livro Teoria quântica: estudos históricos e implicações culturais, organizado pelo professor da Universidade Federal da Bahia Olival Freire Júnior foi o vencedor da categoria Ciências Exatas do Prêmio Jabuti 2011, cujo resultado foi anunciado nesta segunda-feira (17/10). Organizado em conjunto com Osvaldo Pessoa Jr. e Joan Lisa Bromberg, a obra foi lançada em 2010 e reúne textos de 28 autores, que exploram aspectos dessa teoria científica.


Olival Freire Olival Freire
“Eu estou especialmente muito feliz, porque este prêmio é o reconhecimento de um projeto de pesquisa ao qual tenho dedicado quase os últimos dez anos. É um projeto de pesquisa que eu comecei praticamente em 2001. Uma evidência disso é que o livro é uma obra coletiva, mas praticamente metade dos autores ou são alunos ou colaboradores meus no Brasil e fora do Brasil. Eu encaro o Prêmio Jabuti com reconhecimento do trabalho realizado ao longo deste tempo”, comemorou Olival Freire.

O professor ressalta ainda, que o apoio recebido das agências de pesquisa no Brasil foi muito importante para o desenvolvimento deste projeto. “Durante todo esse tempo, eu tenho sido apoiado pelo CNPq, pela Capes, pela Fapesb e também por agências do exterior. Recebi apoio, digamos assim, de uma agência de história das ciências tanto nos Estados Unidos quanto na Europa. Eu estou muito contente, mas quero dizer que o prêmio é fruto de um trabalho que vem sendo apoiado institucionalmente e também é resultado de um trabalho coletivo. Certamente eu tenho o meu mérito na liderança do projeto, mas é um prêmio que deve ser compartilhado por todos que integram o projeto”, destaca.

Apesar do título, Teoria quântica: estudos históricos e implicações culturais não é um livro técnico de física. Segundo professor Olival Freire Jr, é um livro de estudos históricos e de estudos culturais da ciência, que se dirige a um público que quer se manter informado sobre a história, o andamento e as ligações da ciência com a cultura e a sociedade. “É um livro que o título não deveria assustar ninguém, pois é bem acessível”, completou.

Prêmio Jabuti

Criado em 1958, o Jabuti é o mais tradicional prêmio do livro no Brasil, que tem como maior diferencial o fato de não valorizar apenas os escritores, mas destacar a qualidade do trabalho de todas as áreas envolvidas na criação e produção de um livro. As 21 categorias do Jabuti contemplam não só estilos – romance, contos e crônicas, poesia, reportagem, biografia e livro infantil – mas também a tradução, a ilustração, a capa e o projeto gráfico.

Na cerimônia de premiação, que este ano acontece no dia 30 de novembro, são revelados os Livros do Ano de Ficção e Não-Ficção, momento mais aguardado por todos aqueles que concorrem ao Prêmio, pelo mercado editorial e pela mídia especializada. Os livros são escolhidos pelo voto dos jurados e de profissionais do mercado editorial.

De Salvador,
Eliane Costa

PCdoB unido na defesa de Orlando Silva

Força, Camarada!!!

Comentário: Imagine que você tenha rabo preso com alguém. Você mandaria essa pessoa pra cadeia por desvio de dinheiro? Se houvesse conchavo entre o Ministro Orlando Silva e esse desqualificado João Dias, o ministério apresentaria denúncia no Tribunal de Contas da União solicitando que o bandido devolvesse R$ 3,5 milhões de reais? Essas perguntas devem ser objeto de reflexão. Infelizmente o PIG (Partido da Imprensa Golpista) dita a agenda semanal do governo e também a nossa. Quem será o próximo na lista de veja, grobo, falha de são paulo, etc?????  

Por André Barrocal, no sítio Carta Maior:

O depoimento do ministro do Esporte, Orlando Silva, à Câmara dos Deputados nesta terça-feira (18), para se defender de denúncias, lotou o plenário da Comissão de Fiscalização e Controle. Mas não foi só o interesse jornalístico e da oposição ao governo que garantiu casa cheia. Unido em torno do correligionário como não se costuma ver em outras legendas com filiados embaraçados, o Partido Comunista do Brasil (PCdoB) arrastou sua burocracia, as bancadas – que não são grandes - de deputados e senadores e uma legião de assessores, no apoio ao ministro.

No depoimento de quase quatro horas, os comunistas não economizaram aplausos para as fortes declarações de Orlando Silva contra o detrator, o policial militar João Dias Ferreira, ou para congressista, até de outro partido, que saía em defesa do ministro.

Também fustigaram adversários do governo, ao ironizar, por exemplo, o líder do PSDB, Duarte Nogueira (SP), quando este voltara do Senado, depois de reunião com João Dias, e dissera que o PM estaria precisando de “proteção policial” contra ameaças.

Muitos dos militantes também fizeram questão de acompanhar o ministro na entrevista coletiva que ele topou conceder, mesmo depois do longo depoimento.

O motivo de tamanha mobilização é o caráter partidário da acusação feita por João Dias. Se o PM atingiu a jugular de Silva, ao afirmar que o ministro comandaria esquema de corrupção no ministério, acertou também a aorta do PCdoB, apontado como destino final do dinheiro desviado.

“Já enfrentamos ditaduras e detratores como esse há 90 anos. Isso não nos intimida”, disse à Carta Maior o presidente do PCdoB, Renato Rabelo, que assistiu ao depoimento.

Antes da sessão, Rabelo recebera telefonema da ministra-chefa da Casa Civil da Presidência, Gleisi Hoffmann, no qual ela se solidarizava com o PCdoB pelos ataques desferidos no partido não só por João Dias, mas também pelo noticiário.

Encarada como fomentadora de uma espécie de campanha contra o PCdoB, a imprensa foi a vítima predileta dos parlamentares comunistas, na sessão. A queixa principal repetiu Orlando Silva. Seria inaceitável dar crédito a um testemunho sem provas de alguém que já foi preso por desvio de verba do mesmo ministério que acusa e que tenta reaver o dinheiro.

“Nem tudo é publicado na imprensa, mas nós sabemos quem é ele [João Dias], porque a informação circula livremente na internet”, disse a deputada Manuela D'Ávila (RS). “Azar da mídia golpista que mexeu com o PCdoB, que não tem medo. É da história do PCdoB a luta pela verdade”, disse a deputada Perpétua Almeida (AC).

Líder do partido na Câmara, Osmar Júnior (PI) irritou-se também com adversários do governo. Reclamou que eles não acompanharam o depoimento, por estarem no Senado fazendo um acordo com o PM para ele depor na Câmara, em vez de aproveitarem que o ministro já estava ali, à disposição, para pedir esclarecimentos. “Se ele [o PM] quer palanque, que procure outro lugar”, disse.

Já a deputada Alice Portugal (BA) verbalizou com todas as letras a desconfiança de que Orlando Silva e o PCdoB estariam sendo alvejados por causa da Copa do Mundo, numa ação de bastidores da Fifa contra o jogo duro do governo. “É um tentativa de massacre para indicar [no lugar de Orlando] um ministro genuflexo”, afirmou.

Ainda não se sabe se os esforços comunistas serão suficientes para salvar o ministro. Exatamente por causa da Copa, Orlando Silva encontra-se no centro de uma área de apelo popular, o que aumenta a suscetibilidade política do governo com denúncias no setor.

Além disso, a leveza do PCdoB no Congresso (só 15 deputados e dois senadores) não parece capaz de levar a presidenta Dilma Rousseff a se arriscar a manter o auxiliar se as denúncias não estancarem.

Independentemente disso, porém, o PCdoB está com o ministro para o que der e vier. Inclusive irá explorar boa parte do programa eleitoral do partido na TV, nesta quinta-feira (20), para defender-se e ao correligionário.

“O PCdoB tem depositado inteira confiança no ministro. Ele diz que não tem nenhuma relação com esse sujeito [João Dias] e que não tem nada a temer”, disse Rabelo. “O partido tem se preocupado, dentro de suas condições, em explicar à opinião pública o que está acontecendo e vamos fazer isso na TV.”

quarta-feira, 19 de outubro de 2011

Imagem Insólita 9 - Cadê o bandejão da UENF?

Foto: Adriano Ferrarez
Comentário: Ontem estive na UENF acompanhando os bolsistas dos projetos de extensão coordenados por mim na apresentação de trabalhos para a III Mostra de Extensão IFF - UENF - UFF, uma atividade da Semana Nacional de Ciência e Tecnologia, promovida pelo Ministério da Ciência e Tecnologia. Nessa oportunidade tive a  oportunidade de ver o protesto (mostrado na foto acima) dos alunos reivindicando a conclusão do Bandejão daquela instituição. Pelo que pude ver a obra já está bastante adiantada e espero que seja concluída em breve, mas o papel dos estudantes é esse cobrar e se manifestar. Quando a manifestação se mistura com a criatividade temos resultados como o mostrado na Imagem Insólita acima. Espero que o Bandejão da UENF não tenha morrido, mas que esteja em estado de convalescência e que na próxima vez que for à UENF eu possa almoçar no Restaurante Universitário da Universidade Darcy Ribeiro!!!

terça-feira, 18 de outubro de 2011

veja faz o que bem entende... E nós: O que fazemos?

Comentário: Abaixo panfleto distribuído denunciando as mentiras de Veja. Pretendo discorrer sobre o tema Ministério dos Esportes mais demoradamente numa futura postagem. Semanalmente esse panfleto direitista tenta ditar a pauta das ações do governo, destruindo pessoas propagando irresponsavelmente suas mentiras. A última que atacou a honra do Ministro Orlando Silva foi demais. Doeu meus ouvidos ver a manchete dos telejornais do PIG dizer no sábado: "A revista veja traz matéria em que um MILITANTE do PCdoB acusa o ministro..." Militante? Esse tal de João Dias é um farsante! Quem se senta com Álvaro Dias, ACM Neto, e companhia limitada demo-tucana atraindo a mídia golpista para tagarelar nunca foi militante comunista. Militante do PCdoB sou eu que tenho a honra de pertencer às fileiras desse glorioso Partido há mais de 15 anos. Voltarei a esse tema em breve.


quinta-feira, 13 de outubro de 2011

Che Guevara: Modelo de Moral


 

 

 Do Portal Vermelho

 

Pedro Belasco: Che, modelo de moral



Já se faz 44 anos desde o dia do assassinato – a sangue-frio – de Che Guevara, em 9 de outubro de 1967, na escola primária de La Higuera, na Bolívia, onde havia sido transportado após sua prisão por rangers bolivianos e agentes da Agência Central de Inteligência (CIA) dos EUA. No dia anterior caíra em emboscada junto com 17 guerrilheiros remanescentes.

Por Pedro Belasco, no Monitor Mercantil


Afirmar que a memória de Che permanece viva seria muito pouco para o "eterno revolucionário" cujo internacionalismo de sua presença não tem precedente: Está "presente" em qualquer manifestação popular, em qualquer comício em qualquer lugar do mundo, tornou-se ídolo da juventude mundial, símbolo de radical disputa e revolução permanente, fonte de inspiração para muitas faces da arte.

Jean-Paul Sartre o caracterizou em 1968 "uma das maiores figuras humanas do século 20". Mas, também, neste século 21, a figura de Che permanece viva como nunca na América Latina e no mundo inteiro, onde o lema "socialismo ou barbárie" torna-se novamente atual.

Hoje, a Bolívia, com Evo Morales na Presidência de República, honra Che oficialmente. Mas também a América Latina, de um modo geral, evolui – de uma ou de outra forma – rumo à direção que Che sonhou, porém não por intermédio das armas, mas com múltiplos movimentos populares e vitórias eleitorais de frentes de forças da esquerda, na base de programas antineoliberais.

União da AL

Em um período de profunda crise, como a atual que é, também, crise de valores, é de particular importância destacar-se que Che desperta consciências não porque foi um grande teórico ou porque representa a correta "receita para uma revolução", mas como modelo de moral de um combatente irreconciliável e internacionalista, na teoria e na prática.

"Meu marxismo tem raízes profundas", escreveu na última carta aos seus pais. Se for realizada uma pesquisa questionando qual era sua nacionalidade, dificilmente haveria respostas certas.

Che nasceu na Argentina, mas é herói da América Latina e símbolo de sua união. Foi um dos líderes da Revolução Cubana e seu indiscutível teórico. Abandonou seu cargo de ministro da Indústria para lutar ao lado dos movimentos nacionalistas libertários na África. Depois foi à Bolívia, onde tentou organizar um movimento de guerrilha, mas encontrou grandes dificuldades e, finalmente, foi morto, não como gostaria ter sido – em pé, lutando – mas assassinado.

Transcorrendo o século 21, o mito de Che não sofreu desgaste, mas cresce incessantemente e internacionaliza-se, particularmente entre os jovens do planeta. E isto ocorre porque a crise do sistema é profunda e multidimensional, e o mundo deverá mudar radicalmente e derrubar as desigualdades que destroem as sociedades e imobilizam as capacidades criativas dos seres humanos. A própria vida na Terra está ameaçada pela galopante decadência ambiental, consequência do predominante modelo neoliberal de crescimento.

Che está mais vivo hoje. Propõe a esquerda como postura e modelo de vida. Fala direto no coração e na consciência com as mesmas palavras, com as quais falou aos seus filhos em sua última carta: "Acima de tudo, sejam sempre capazes de sentir profundamente qualquer injustiça que está sendo cometida contra qualquer um, em qualquer canto deste mundo. É a característica mais bela de um revolucionário". Ernesto Che Guevara, guerrilheiro heroico.

domingo, 9 de outubro de 2011

PSD de Kassab enterra os demos

Charge de Miguel


Por Altamiro Borges

Na sexta-feira, 7, terminou o prazo de filiação partidária para quem deseja disputar as eleições municipais de 2012. Superando as expectativas, o recém-criado PSD, do prefeito Gilberto Kassab, atraiu inúmeras lideranças de direita e centro-direita e causou enorme estrago na oposição demotucana. As filiações ao novo partido-ônibus reforçam as dúvidas sobre o futuro do DEM, PSDB e PPS.

Balanço parcial das deserções

Segundo levantamento parcial, o PSD já nasce com 47 deputados federais, dois senadores, cinco vice-governadores e dois governadores, dezenas de deputados estaduais, 600 prefeitos e perto de 6 mil vereadores. E o número de filiados ainda pode aumentar, já que o prazo para a troca de legenda sem caracterizar infidelidade partidária termina no dia 28 deste mês.

“Chegamos ao prazo final das filiações para os candidatos às eleições municipais com uma musculatura muito do maior do que esperávamos. A correria foi muito grande. E no último dia, ainda garantimos a filiação de um craque para nosso time, o Meirelles, que já desponta como um candidato fortíssimo à prefeitura de São Paulo”, comemora o secretário-geral do PSD, Saulo Queiroz.

A ridícula declaração de Agripino

Como já era previsto, a principal vítima do PSD é o DEM. Ironia da história, Gilberto Kassab, eleito prefeito de São Paulo por esta legenda, está enterrando de vez os demos. O partido já perdeu 17 deputados federais e corre o risco de sofrer mais duas baixas. Com estas deserções, o DEM perde o título de quarta maior bancada da Câmara Federal e terá que ceder salas e cargos. Desespero total!

Em alguns estados, os demos já queimam no inferno, para desespero do diabo. É o caso de Santa Catarina. “Todos os prefeitos do DEM, sem exceção, seguiram os passos do governador Raimundo Colombo e do ex-deputado Paulo Bornhausen, e migraram para o PSD”, informa o jornal O Globo.

Apesar do desastre, o senador José Agripino, presidente da sigla agonizante, ainda tenta disfarçar. “Não fechamos a contabilidade sobre as perdas nos municípios. Mas a nossa preocupação não é com o número de prefeitos com que ficamos, mas com os que serão eleitos no próximo ano”. Cínico e ridículo! A tendência é que o DEM não sobreviva por muito mais tempo.

O inferno astral dos tucanos

Outros partidos também sofreram abalos com a criação do PSD. O PP de Maluf perdeu seis deputados e o PPS de Roberto Freire teve quatro baixas – ficando com apenas oito federais. PMDB, PMN e PR perderam três deputados, cada. Mas depois da tragédia dos demos, os tucanos são os mais afetados. Três deputados já abandonaram o ninho e outros dois farão o mesmo nos próximos dias.

Mas o PSD parece insaciável e deseja engolir outros tucanos, descontentes com a falta de rumo do partido e com as intermináveis brigas internas. As bicadas ficam cada dia mais sangrentas entre Alckmin e Serra. Na escolha do candidato a prefeito da capital, as rasteiras e baixarias vieram à tona. Para piorar, o PSDB não tem como fugir das denúncias de corrupção na Assembléia Legislativa. O inferno astral dos tucanos pode render ainda outros filiados para o PSD de Kassab.


sábado, 8 de outubro de 2011

Dr. Roninho: remédio para os DEMOcratas do Noroeste Fluminense



Enquanto a nível nacional os DEMOcratas e o PSDB estão com o pé na cova devido a criação do Partido Social Democrático (PSD), autointitulado por seu mentor o prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, como um partido de centro, na região Noroeste Fluminense a velha direita respira e arregimenta reforços. A filiação de maior repercussão em Itaperuna nas vésperas de expirar o prazo para o troca-troca de partidos é sem dúvida a adesão ao DEMOcratas pelo Dr. Roninho, que nas eleições de 2010 teve mais de 21.000 votos para Deputado Estadual.
Enquanto a direita se fortalece, não vemos nenhuma novidade alvissareira no lado dos partidos que deveriam representar e lutar pelos direitos dos trabalhadores e do povo por essas bandas daqui. Os coronéis e os políticos com p minúsculo ficam rindo a toa! A região não sai do lugar e nossas cidades continuam a ser loteadas entre os poderosos.

Querem fazer da Síria um novo Iraque, uma nova Líbia - Parte 1






 Charge de Vicman

Comentário: A seguir carta do primeiro-secretário do Partido Comunista da Síria acerca da situação daquele país. A leitura dessa carta esclarece pontos sobre a complexidade da realidade síria. Aliás, as coisas são muito complexas naquela região principalmente do ponto-de-vista das peças no tabuleiro do jogo político. Daí a necessidade de tentarmos entender para fazer juízo de valor e não simplesmente bater bumbo para o que nos diz a mídia venal ocidental. Assistimos mais uma vez à movimentação das forças imperialistas manipulando a opinião pública com vistas a justificar mais uma agressão aos povos. Fiquemos atentos! A sanha bélica do imperialismo não para!

PC Sírio analisa e desvenda mentiras fabricadas contra o país

Esta semana foi divulgada uma carta assinada pelo primeiro-secretário do Partido Comunista Sírio (Unificado), Hunein Nemer, descrevendo o cenário atual do país. A carta analisa os "acontecimentos recentes" na Síria e elucida "alguns fatos e desvenda algumas mentiras fabricadas e publicadas pela propaganda imperialista contra a Síria. O Portal Vermelho reproduz abaixo a íntegra da carta, a partir de tradução encontrada no Portal Correio da Cidadania.

Uma carta ao mundo comunista e aos partidos operários

Por Hunein Nemer

Saudações camaradas,

Gostaríamos de apresentar-lhes uma breve análise dos sucessivos acontecimentos recentes em nosso país, a Síria, e, para tanto, devemos elucidar alguns fatos e desvendar algumas mentiras fabricadas e publicadas pela propaganda imperialista contra a Síria.

Desde o início dos eventos, em março, estações de TV na América, Reino Unido e França, algumas estações árabes e centenas de sites da internet têm se mobilizado para falsificar, da melhor maneira que puderem, a realidade e, na medida em que a opinião pública se volta para essa causa, programas especiais são transmitidos para servirem a esse propósito dia e noite.

O presidente norte-americano divulga, diariamente, notas que expressam seu tratamento contra a Síria, assim como uma intervenção flagrante nas relações internas do povo sírio. Oficiais de alta patente da União Européia têm imitado o presidente americano.

Tais tratamentos e intervenções chegaram ao auge quando o presidente norte-americano apontou a irrelevância e ilegitimidade do regime sírio. Ásperas e injustas sanções econômicas foram impostas contra o povo sírio. Ainda mais perigosos são os planos endossados pela OTAN de compartilhar ondas de ataques aéreos, por algumas semanas, contra 30 áreas estratégicas na Síria, exatamente igual ao que aconteceu na Iugoslávia.

Alguns oficiais europeus jamais hesitarão em comparar a situação na Síria como se fosse cópia exata da crise Líbia, onde milhares de civis foram massacrados, dezenas de áreas econômicas foram destruídas pelos ataques aéreos.

Estados membros da aliança imperialista têm tentado, de todas as maneiras possíveis, aprovar uma resolução do Conselho de Segurança da ONU condenando a Síria para, em seguida, adotar sucessivas resoluções a respeito, para tornar “legal” uma agressiva campanha contra nosso país. Agradecemos a oposição a esses planos por parte da Rússia e da China, acompanhadas, até agora, pela África do Sul, Índia, Brasil e Líbano. As tentativas imperialistas no Conselho de Segurança da ONU foram, até agora, infrutíferas.

Todas essas movimentações acontecem sob dois pretextos:

1. Manifestantes na Síria estão sendo mortos, procedimentos de segurança estão sendo empreendidos para lidar com os manifestantes;

2. Manipulações das deficiências do regime sírio, assim como a falta de democracia e o monopólio do poder por parte do partido no poder, com o intuito de pressionar o regime para adotar algumas mudanças internas, embora qualquer mudança interna deva ser considerada como parte da soberania nacional do país.

Na realidade, diversas manifestações de protesto começaram em março pedindo reformas social, econômica e democrática. A maioria dessas demandas foi apoiada pelo nosso partido como uma forma de lidar com os efeitos nocivos da implementação de um programa liberal na economia (de acordo com o Fundo Monetário Internacional) e a transformação da Síria em um mercado econômico. Os efeitos foram nocivos para o nível de vida das camadas pobre e média. Essas manifestações eram pacíficas, mas cedo foram manipulados por fundamentalistas religiosos e grupos radicais, cuja ideologia data de antes da idade média.

As manifestações se transformaram de pacíficas para armadas, buscando alcançar propósitos que não têm nenhuma ligação com as reformas políticas e sociais. Ao tratar com essas manifestações, as forças de segurança oficial cometeram diversos erros injustificáveis; conseqüentemente, essas ações foram seguidas de reações. Dezenas de civis e soldados foram mortos. Gangues armadas foram formadas atacando propriedades públicas e privadas, criando barreiras dentro de algumas cidades, contando com ajuda externa. Durante os últimos meses, essas gangues estabeleceram áreas armadas nas regiões fronteiriças da Síria, do nosso lado, e da Turquia, do Líbano, da Jordânia e Iraque, para garantir continuidade no suprimento de suas armas e na ligação entre essas áreas.

De qualquer maneira, as gangues não obtiveram sucesso no estabelecimento de uma base fronteiriça estável. Isso custa centenas de civis e soldados, ou seja, mais de 2000 vítimas. No meio tempo, diversos eventos foram exagerados. Fatos foram falsificados. Os mais modernos equipamentos eletrônicos e de mídia foram empregados com o intuito de mostrar que o exército Sírio é completamente responsável por esses atos e que as gangues armadas não são responsáveis, e assim por diante.

Devido à pressão, o governo adotou diversas reformas sociais e democráticas que incluem: anulação das leis e tribunais de exceção e respeito às manifestações pacíficas legais. Recentemente, uma nova lei eleitoral e uma lei permitindo o estabelecimento de partidos políticos foram adotadas. Preparações para uma nova ou modificada constituição estão a caminho. Novas leis a respeito da mídia e da administração pública também foram adotadas.

Os objetivos dessas leis e procedimentos são: quebrar o monopólio de poder do partido Baas, estabelecer uma sociedade plural e democrática, assegurar liberdades privadas e públicas, garantir a liberdade de expressão e reconhecer o direito de oposição para atividade política pacífica.

Apesar das nossas reservas no que diz respeito a alguns artigos, essas leis são muito importantes. Por mais de quarenta anos nosso partido tem lutado para ter tais leis adotadas. Essas leis devem ser implementadas e podem ser consideradas como um importante passo em direção à transição da Síria para uma sociedade democrática e plural.

Largos setores pacíficos da oposição nacional saudaram esses procedimentos, embora as oposições fundamentalistas e armadas ainda estejam defendendo a derrubada do regime, pressionando e agindo sectariamente.

Podemos resumir a situação como segue:

- Reduziu-se a tensão armada nas cidades sírias. Gangues armadas sofreram fortemente. De qualquer maneira, algumas delas têm condições de retomar suas atividades;

- manifestações pacíficas não desapareceram e não são confrontadas violentamente, a não ser quando acompanhadas por atividades violentas;

- o governo chamou a oposição nacional a participar de diálogos políticos que buscam ajudar a alcançar a transição para a democracia e o pluralismo de forma pacífica. Tal diálogo encontra muitas dificuldades, mais importantes até do que a pressão dos grupos armados que se opõem ao diálogo e à solução pacífica, financiados por apoio externo;

- ameaças imperialistas e colonialistas contra a Síria aumentaram. Embora essas ameaças encontrem algumas dificuldades, precisamos estar prontos para confrontá-las.

Enquanto a situação do nosso país está em pauta, ela aparece como segue:

- Movimentos de protesto ainda existem em diferentes níveis. Eles diferem de uma região para outra. Nota-se que alguns movimentos começam em mesquitas, áreas rurais e favelas e segue em direção ao centro da cidade;

- Movimentos dentre as minorias étnicas e religiosas são raros. Nas fábricas, universidades e sindicatos não existem movimentações;

- Dentro dos círculos da grande burguesia, independentemente de ser industrial ou financeiro, especialmente nas grandes cidades de Aleppo, Lattakia e Damasco, não existem movimentos;

- Não existem movimentações dentro dos clãs e das tribos;

- A oposição é composta de um amplo e variável espectro de partidos. Alguns são patrióticos, se opõem à intervenção externa e às gangues armadas. Neste campo está o Partido Muçulmano, considerado o mais ativo e bem organizado partido dentro e fora do país.

Há, também, diversos grupos tradicionais com diferentes orientações, cuja influência se tornou mais clara nas manifestações em diferentes áreas. Esses grupos não escondem seus objetivos e propostas que são claramente reacionárias e sectárias.

Os grupos locais mais importantes e ativos, desde o início dos protestos, são as coordenações locais que incluem diferentes grupos da juventude sem terem nenhum plano e clareza ideológica comuns, ou orientações, exceto pelo slogan “Abaixo o regime”. Eles estão expostos à pressão externa, assim como interna.

- Oposição no exterior é composta por intelectuais, tradicionalistas, pessoas que romperam com o regime, com algumas conexões internas (Khadam e Refa'at Al Assad).

- Durante o último período, essas forças promoveram diversas conferências no exterior (exceto um encontro que aconteceu no hotel Samir Amis, em Damasco, organizado pela oposição interna) objetivando mobilizar forças e coordenar posições. Diferenças ideológicas e políticas, assim como nos interesses, prevalecem. Algumas forças de oposição no exterior trabalham duro para ganhar apoio internacional e de forças colonialistas.

- Até agora, os Estados Unidos, a França e a Grã-Bretanha estão liderando a campanha internacional de ameaças e incitamento contra o regime Sírio, buscando impor mais e mais pacotes e sanções, especialmente pelo Conselho de Segurança da ONU e outros organismos internacionais; Rússia e China continuam se opondo à imposição de tais sanções e procedimentos. A Turquia escolheu uma postura oportunista que se move de acordo com as eleições internas e seus interesses regionais. Há uma maioria internacional se opondo às medidas militares diretas contra a Síria, como aconteceu na Líbia, para que a Liga Árabe e o Conselho de Segurança da ONU não adotem resoluções que preparem o caminho para a agressão. O conflito em torno desta questão é feroz.

- Exceto pelo Catar, que tem um papel vital e importante nesta conspiração contra a Síria, existem diferentes pontos de vista e posições no mundo árabe no que diz respeito à situação no país.

- Dia a dia, a situação econômica se deteriora, a pressão nas condições de vida das massas aumenta.

- O regime é coeso e tem grandes potencialidades de superar a crise. Cinco meses antes do estouro dos eventos, nenhuma das instituições básicas (o partido, o exército, a segurança, as instituições de Estado, embaixadas, organizações populares, sindicatos, a Frente Progressista Nacional...) havia experimentado qualquer divisão.

Certamente, o cenário não é estático e deve ser visto de acordo com suas dinâmicas, variações e desenvolvimento diário.

Possíveis cenários:

- A crise deve continuar por um longo período, levando para mais calamidades e derramamento de sangue;

- Uma movimentação que leve para uma anarquia geral, uma guerra civil ou algo similar, pavimentando o caminho para uma intervenção externa;

- Uma aparente divisão na oposição pode acontecer, fazendo com que parte dela queira iniciar um sério diálogo com o regime para alcançar um novo contrato social no país;

- Colocar um fim nas diferentes abordagens e “imobilidade” no que diz respeito às forças do regime.

- Há dois possíveis resultados: mover-se em direção a uma solução política para o fim da crise, factível e firme, ou continuar tratando a crise apenas como uma questão de segurança a todo custo. É difícil prever a maneira pela qual uma decisiva solução é possível.

- Alguns fatos inesperados podem acontecer, forçando todos os partidos a se comprometerem, ou aceitarem, um acordo imposto por forças externas para ajudar o país a encontrar um caminho para fora do túnel.

Onde está o partido agora?

Para começar, gostaríamos de sublinhar o fato de o nosso partido ter enviado uma mensagem ao comando do partido Al-Baas, na véspera de sua décima Conferência, em 2005. Nosso partido reivindicava a separação entre o Estado e o partido governista, garantias de democracia e liberdades, regulamentos de emergência, a adoção de uma lei democrática para partidos, liberdade de expressão e libertação de prisioneiros políticos, o fim da hegemonia do partido Al-Baas em sindicatos, combate à corrupção etc.

Mas gostaríamos de adicionar que o partido afirmou, em todos os documentos divulgados nos últimos meses, que apoiamos a postura da Síria nas questões internacionais. Para materializar este desejo, as necessidades sociais, econômicas e democráticas das massas populares devem ser interrelacionadas. Nós discutimos essas questões detalhadamente nas nossas conferências e documentos.

Nas suas análises da profunda e atual crise do nosso país, nosso partido esclareceu que a principal contradição está entre a fórmula política usada para regular o país por diversas décadas e as demandas pelo desenvolvimento democrático, social, econômico e cultural, necessárias para a sociedade síria.

O conteúdo do nosso ponto de vista é que a fórmula política está baseada no monopólio da autoridade do partido Al-Baath, que administra o movimento popular e suas organizações. Esta fórmula leva à decadência, à burocracia e à corrupção da máquina de estado. Conseqüentemente, os planos de reforma econômica e social precisam ser reconsiderados para serem atualizados com as exigências do progresso.

Nosso partido acredita que a essência da atual crise é a desproporção entre a estrutura do regime e os objetivos da Síria. Ao mesmo tempo, o partido tem enfatizado que o inimigo e as forças imperialistas têm se aproveitado destas distorções internas para fomentar o nível da conspiração contra a Síria e usá-las como um cavalo de Tróia para servir aos seus já conhecidos objetivos, como mencionado anteriormente.

Consequentemente, o Partido Comunista Sírio (Unificado) não está neutro no que se refere à alternativa necessária, por um lado, e os meios necessários para alcançar esse objetivo, por outro lado.

Solução política e continuidade de uma reforma real e radical constituem o único caminho para a saída da crise. Os procedimentos de repressão ajudam a aumentar os componentes da crise e a esvaziar o conteúdo das reformas necessárias.

A atual situação, afirmamos, requer um diálogo construtivo e fiel com todas as forças honestas e patrióticas, independentemente das diferenças de opinião ou pontos de vista, com o propósito de alcançar um acordo ou uma reforma radical que sirva às necessidades das massas populares e garanta a criação de um Estado laico civil e democrático que se oponha aos planos imperialistas e israelenses na região.

Mas o diálogo pressupõe um clima adequado; sem ele, a intransigência só poderá levar a mais derramamento de sangue, mais destruição para o país e mais sofrimento para a população.

Queridos camaradas:

Devido à fraqueza da imprensa popular de massa na Síria na confrontação com a grande mídia do imperialismo, à mobilização das forças reacionárias por todo o mundo contra a Síria, além de seus fantoches na região (incluindo a Turquia, que adotou uma política pragmática para lutar pela hegemonia frente aos países orientais), por tudo isso reunido, nosso partido deseja que todos os partidos comunistas, de trabalhadores e democráticos no mundo nos ajudem a divulgar amplamente esses esclarecimentos junto à opinião pública de seus países.

Ainda mais, pedimos para que esses partidos se solidarizem com a Síria porque este é o país mais importante do mundo árabe que resiste aos planos imperialistas de dominar o Oriente Médio, se opondo firmemente ao plano americano-israelense de fragmentar a área em diversas entidades sectárias fáceis de serem controladas. A Síria apóia, inclusive, a resistência nacional Palestina, Libanesa e Iraquiana. Ainda mais, apóia o direito do povo palestino de libertar seu território e estabelecer um Estado nacional com Jerusalém como sua capital.

Damasco, 17/9/2011,

Hunein Nemer é Primeiro Secretário do Partido Comunista Sírio (Unificado).