Visitantes

terça-feira, 2 de agosto de 2011

Do multiculturalismo ao fascismo

 

Comentário: Abaixo texto de Eduardo Bomfim que traz um importante alerta sobre o fim desse caminho tortuoso pelo qual passa a humanidade. É preciso que fiquemos alertas para que a barbárie não se instale em nosso mundo.

Eduardo Bomfim- Advogado e Membro do Comitê Central do PCdoB

Os atentados ocorridos na Noruega com mais de setenta mortos podem parecer algo casual, mas na realidade refletem uma tendência ao fascismo de parcelas das elites, e do capital financeiro internacional, que vão se descartando de outro discurso por eles elaborado, sintetizado na chamada doutrina do multiculturalismo.

Quando meses atrás o primeiro ministro da Grã Bretanha, David Cameron, e a chanceler alemã, Angela Merkel, anunciaram em entrevista coletiva a morte do multiculturalismo, na verdade o que estava acontecendo era uma inflexão estratégica em relação a essa agenda multicultural global desses quarenta anos de hegemonia neoliberal e da nova ordem mundial.

As teses multiculturalistas reinaram olimpicamente durante toda essa época como argumento para suprimir as fronteiras nacionais e ao mesmo tempo foram difundidas com o objetivo de desarmar, dividir, fragmentar as lutas dos povos e trabalhadores dos Países, objetivando quebrar o espírito de unidade arduamente perseguido ao longo de várias dezenas de anos.

Os exemplos mais emblemáticos de resistência dos povos têm sido as grandes lutas antiimperialistas desde o início do século 20 que enxergam na centralidade da grandeza nacional o elemento decisivo para a conquista da plena soberania, associada, em muitos casos, a projetos de transição para uma sociedade mais avançada, o socialismo.

Esse discurso sobre a extinção das fronteiras, vistas como ultrapassadas, foi disseminado como uma pretensa etapa superior da humanidade, na verdade subordinada a uma maior globalização do capital, que exclui os conceitos históricos e culturais dos Países, proporciona uma grande mobilidade internacional da força de trabalho e o aviltamento da sua remuneração.

E a esse projeto contra as nações e o mundo do trabalho o ideólogo norte-americano Francis Fukuyama adicionou a farsa sobre o “fim da História”.

Porém, a crise sistêmica capitalista, o desemprego generalizado entre as nações do primeiro mundo, os efeitos colaterais das agressões imperiais, como o terrorismo, transformou o multiculturalismo em um estorvo à nova ordem mundial. A criatura já não mais interessa aos seus criadores.

Ressurge assim uma doutrina mais eficaz à hegemonia e à acumulação sôfrega do capital financeiro internacional.

Os atentados na Noruega só revelam a ponta do iceberg. O que estamos presenciando mesmo é a proliferação de organizações neonazistas já disputando parcelas do poder na Europa, enquanto nos EUA avança a direita fundamentalista, a exemplo do Tea Party.

2 comentários:

  1. A Rússia, Ucrânia e Europa do Leste são a Tumba do assassino comunista! Hoje o comunismo bárbaro e primitivo serve só para panacas Subdesenvolvidos acéfalos do miserável terceiro mundo!

    ResponderExcluir
  2. É interessante ver um 5a. coluna fascista colocar as manguinhas de fora.

    ResponderExcluir

Preencha o formulário: