Visitantes

terça-feira, 19 de julho de 2011

Jornalista que denunciou grupo Murdoch é encontrado morto

Cartoon © Dave Brown of The Independent


Comentário: Como diria Zé Geraldo: "Se chega alguém querendo consertar, vem a ordem de cima, pega o idiota e enterra", é por uma dessas que Raulzito dizia: "Eu não sou besta pra tirar onda de herói". Mas não se pode calar diante das injustiças!!! Todo esse episódio envolvendo esse jornal britânico mostra como a mídia é podre.

O jornalista Sean Hoare, que denunciou o esquema de grampos ilegais do tabloide inglês News of the World, foi encontrado morto nesta segunda-feira (18), segundo o diário britânico The Guardian. Hoare foi o primeiro repórter do News of the World a admitir que o diretor da publicação, Andy Coulson, ex-chefe de comunicação do gabinete do primeiro-ministro britânico, David Cameron, estava ciente sobre a prática. De acordo com a polícia, Hoare foi encontrado morto em sua residência em Watford, no condado de Hertfordshire, na região oeste da Inglaterra. De acordo com a Associação de Imprensa da Grã-Bretanha e com o Guardian, as causas da morte ainda não foram explicadas

Até o momento, porém, a polícia não trabalha com a hipótese de que o caso tenha alguma relação com o escândalo. Também não considera que a morte do jornalista esteja vinculada a um suicídio ou a causas violentas.

Hoare também trabalhou no The Sun, tabloide sensacionalista que também é de propriedade da News Corp., grupo comandado pelo magnata Rupert Murdoch. O jornalista foi dispensado do semanário por conta de “problemas com álcool e drogas”, mas estava em um programa de reabilitação.

"Isso é irrelevante", disse ele, dias atrás, sobre seu histórico em entrevista ao jornal The New York Times. "Há mais por vir. Isso não vai simplesmente passar", completou.

Segundo a agência de notícias Associated Press, a polícia chegou à casa do jornalista às 10h40 (horário local), após ser notificada de que o paradeiro de Hoare era desconhecido — e já o encontrou morto. "A morte da vítima está sendo tratada como inexplicável, ainda não há suspeitos. A investigação está em andamento", disse a polícia em um comunicado.

Hoare não só confirmou que Coulson sabia do esquema dos grampos ilegais como disse que ele encorajava a equipe a grampear os telefones de celebridades e políticos britânicos. Em entrevista à BBC, ele disse que foi pessoalmente persuadido por Couslon para grampear os telefones.

Na semana passada, Hoare voltou a contar mais detalhes sobre o escândalo. Segundo ele, os repórteres do tabloide britânico tinham a liberdade de localizar as pessoas usando os celulares em troca do pagamento de propina aos policiais. Colson nega todas as acusações do repórter. Ele chegou a ser preso na semana passada, mas foi posto em liberdade horas depois.

Luto

A notícia da morte de Sean Hoare pegou muitos jornalistas, especialmente os que estão no Reino Unido cobrindo o escândalo envolvendo o tabloide britânico, de surpresa. "São trágicas as últimas notícias de Sean Hoare, o primeiro jornalista a falar comigo quando eu comecei como secretária", postou a colunista do The Guardian Marina Hyde, no Twitter.

Matt Tempest, que trabalhou com Hoare no Sunday People, definiu o colega como "doce, charmoso e engraçado", também pelo microblog. Já David Yelland, ex-editor do The Sun, um dos jornais acusado por Hoare de adotar a "prática do grampo", disse em seu Twitter que Hoare "estava apenas tentando ser honesto, lutando contra vícios. Mas ele era um bom homem. Meu Deus".

Da Redação, com agências

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Preencha o formulário: