Visitantes

segunda-feira, 6 de junho de 2011

Dirigente do PCdoB-RJ apoia as reivindicações dos bombeiros


Manifestação no Quartel dos Bombeiros/RJ

O Governador do Estado do RJ, Sérgio Cabral, tem que virar o disco em suas coletivas quando o Estado passa por alguma adversidade. Na coletiva de imprensa que deu para tratar da greve dos bombeiros, qualificou esses profissionais que tem grande respeito da população fluminense como se fossem os traficantes que causaram terror há alguns meses nas ruas da capital e na região metropolitana. Mais respeito, Exmo. Sr. Governador. O Partido Comunista do Brasil, por meio de sua presidente regional Ana Rocha, presta solidariedade a esses bravos profissionais que nas adversidades estão na linha de frente com o intuito de salvar vidas. E como qualquer trabalhador merecem dignidade salarial.

A presidente estadual do PCdoB no Rio de Janeiro, Ana Rocha, emitiu na tarde deste sábado (4) declaração em que considera “lamentável a crise que se instalou no estado e no coração da corporação militar”.
A dirigente comunista valorizou o trabalho e a luta dos trabalhadores do Corpo de Bombeiros: “Os bombeiros são símbolo de coragem e proteção à vida, têm a simpatia do povo e merecem ser valorizados. A pauta de reivindicações que os levou aos protestos é justa, pois eles recebem os menores salários do pais e são submetidos a más condições de trabalho”.

Ana Rocha diz que até onde está informada, foram iniciadas negociações com o governo do estado, mas a proposta de recomposição salarial não obteve o consenso na corporação. “Apoiamos a luta desses trabalhadores”, enfatizou a líder dos comunistas cariocas.

Sobre os choques havidos com a Polícia Militar, Ana Rocha declarou: “Exortamos as autoridades a restabelecerem a cautela e o equilíbrio, pois trata-se de questões trabalhistas, como as difíceis condições para os bombeiros cumprirem suas funções com a qualidade que a sociedade merece. A violência não é o caminho. Precisamos restabelecer a normalidade e a legalidade”.

A dirigente do PCdoB no Rio de Janeiro também pediu a libertação dos trabalhadores presos, a retomada das negociações, a garantia de salários e condições de trabalho em outro patamar e que “a normalidade retorne ao nosso Estado”. “A sociedade precisa da proteção dos bombeiros”, conclui a dirigente comunista.

Da redação

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Preencha o formulário: